Após ação do Sindicato, Caixa pagará os intervalos não concedidos às empregadas

DECISÃO VALE PARA O DF

Após ação do Sindicato, Caixa pagará os intervalos não concedidos às empregadas Destaque

Após ação do Sindicato, Caixa pagará os intervalos não concedidos às empregadas

Resultado de imagem para intervalo 15 minutos caixa vitória mulheres

A Caixa Econômica Federal irá pagar às empregadas do banco lotadas na base territorial de Brasília o valor correspondente a intervalos intrajornadas não concedidos. O pagamento é resultado de uma conciliação homologada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) entre o Sindicato e a Caixa no final de fevereiro, em processo ajuizado pela entidade sindical em 2014, quando ingressou com o mesmo tipo de ação contra todos os bancos em favor das bancárias (esses processos se encontram em diferentes fases de tramitação nas respectivas varas).

A ação coletiva beneficia a todas as empregadas do DF que receberam pagamentos de horas extras em seus contracheques no período de 2009 a 2015.

A Justiça deu ganho de causa ao Sindicato em abril de 2017, quando teve início a fase de liquidação, em que são feitos os cálculos para chegar aos valores a serem efetivamente pagos em razão da sentença. Foram quase dois anos de tramitação nessa fase até que, em fevereiro de 2019, as partes pediram a inclusão do processo na pauta de conciliações do Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc) do TRT.

Os valores correspondem ao pagamento de 15 minutos extras diários a cada vez que a empregada fez hora extra (a ação abrange o período de 2009 a 2015). Dessa forma, o montante individual é variável, dependendo da quantidade de vezes que cada trabalhadora prorrogou sua jornada de trabalho.

Horas extras que não foram registradas na época não têm reflexo nessa ação e devem ser objeto de ação individual para comprovar a efetiva prorrogação.

Importante lembrar que o artigo 384 da CLT - que assegurava o intervalo de 15 minutos para as trabalhadoras quando elas prorrogavam a jornada - foi revogado pela deforma trabalhista. Assim, as empresas não mais concedem esse intervalo, mas estavam obrigadas a fazer o pagamento pelo período em que a lei vigorou e não foi respeitada, observando o prazo de prescrição a partir da deforma trabalhista.

Pelo acordo, a Caixa tem prazo até 28/03/2019 para fazer o depósito do montante da execução. A partir desta data ou tão logo o depósito seja efetuado, as beneficiárias da ação coletiva terão acesso aos valores por meio de um link a ser disponibilizado no site do Sindicato. As informações sobre a documentação serão divulgadas oportunamente.

O Sindicato alerta às beneficiárias da ação ou possíveis beneficiárias que não solicita qualquer valor para execução da ação. Na dúvida, procure a entidade. Mais informações pelo 3262-9090 ou pelo email acaomulhercaixa@bancariosdf.com.br

“O Sindicato entrou com essa ação coletiva por ocasião das comemorações da semana internacional da mulher no ano de 2014. E nos esforçamos para fechar o acordo e anunciar seu desfecho favorável na semana da mulher neste ano de 2019”, comemora a secretária de Assuntos Jurídicos do Sindicato, Marianna Coelho.

“A nossa ação coletiva cumpriu seu principal objetivo, que é fazer com que essas bancárias recebam os valores que lhes são de direito, garantidos em lei, mas lhes eram negados. Essa decisão da Justiça em favor do Sindicato e das empregadas da Caixa deve servir de exemplo para que os outros bancos se movimentem a fim de repararem os danos às mulheres, pagando o que lhes é de direito”, frisa Helenilda Cândido, secretária de Mulheres do Sindicato.

Da Redação