Sindicato debate saúde dos bancários com o BRB

Sindicato debate saúde dos bancários com o BRB Destaque

Sindicato debate saúde dos bancários com o BRB



O Sindicato se reuniu na sexta-feira (17) com a comissão de negociação do BRB para tratar de questões que envolvem os funcionários, principalmente no tocante à saúde dos trabalhadores.

Os diretores sindicais relataram demandas trazidas pelos bancários que denotam situações que têm gerado adoecimento e sentimento de desvalorização diante do que a diretoria do presidente Vasco da Cunha Gonçalves parece entender como forma de gestão.

Funcionários que estariam em condições de aderir ao PDVI ou que teriam aderido e depois desistido, muitos deles em condições de saúde limitadoras, descreveram que, “coincidentemente”, receberam comunicados de transferência para agências distantes, segundo eles como forma de pressão para aderirem ao programa de demissão.

O Sindicato solicitou relatório das transferências, mas o banco se nega, talvez para esconder a sua prática. Para André Nepomuceno, secretário de Bancos Públicos da Fetec-CUT/CN, se não há nada de errado na postura do banco e em como ele tem operado as transferências, não há justificativa para não apresentar relatórios.

Há outros casos de bancários que descrevem ter sua condição de saúde agravada por causa da maneira como têm sido tratadas pelo banco. Pessoas com doenças crônicas que foram sumariamente rebaixadas sem ser levado em consideração o histórico profissional ou mesmo por uma questão de humanidade, pois alguns ainda estavam em tratamento.

Acordo aditivo de PLR

O acordo aditivo de PLR tem sua vigência para o ano de 2017. Assim, é necessário que se estabeleça a negociação do modelo para o primeiro semestre de 2018. Porém, o banco tem se negado a apresentar o plano de metas, por meio do qual tem promovido alterações que podem impactar no recebimento da participação. Na reunião de sexta, o Sindicato reiterou a reivindicação apoiado na lei 10.101/00, que dispõe sobre a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa.

Audiência inaugural sobre desconto do dia 30/6

Nesta terça-feira (21) ocorreu a audiência inaugural do processo movido pelo Sindicato contra BRB em função do corte do ponto do dia da greve geral ocorrida em 30 de junho passado. Na audiência a presidência de Vasco demonstrou mais uma vez não querer dialogar com os funcionários. Após o banco, em mesa, ter dito ‘não’ para a negociação do dia de greve, manteve seu posicionamento em juízo. Ficou marcado para o dia 6 de fevereiro de 2018 o encerramento da instrução.

Avaliação

Para Cristiano Severo, bancário do BRB e secretário-geral do Sindicato, no aspecto da saúde do trabalhador, “o banco deve melhorar e muito o trato com seus funcionários, não sendo admissível a escusa com argumentação tão falha de que nada acontece e tudo está bem. Também é ruim o aceno que o banco dá para seus funcionários ao não negociar o dia da greve, buscando, talvez, intimidar os trabalhadores com essa posição”.

Da Redação