Sindicato convoca financiários para assembleia nesta sexta

Sindicato convoca financiários para assembleia nesta sexta Destaque

Sindicato convoca financiários para assembleia nesta sexta

O Sindicato convoca os empregados de financeiras para assembleia geral extraordinária nesta sexta-feira (05) para discussão e aprovação da proposta da Campanha Nacional 2018 apresentada pela Fenacrefi (Federação Interestadual das Instituições de Crédito de Financiamento e Investimento), de 3% de reajuste nos salários e todas as cláusulas de natureza econômica, inclusive PLR.

O reajuste corresponde à reposição da inflação (INPC entre 1º de junho de 2017 e 31 de maio de 2018) mais 1,22% de aumento real (veja abaixo tabelas de reajustes e da PLR)

“Considerando que estávamos lutando para a manutenção de nossas conquistas, em função do atual cenário político de nosso país, conseguimos chegar a um consenso favorável aos trabalhadores”, avalia o diretor da Fetec-CUT/CN José Pacheco. 

Talita Régia, também diretora da Fetec-CUT/CN, reitera que, “apesar de alguns pontos divergentes, o resultado da negociação foi positivo, uma vez que foram mantidas várias cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho, com validade de dois anos (2018/2020). Para 2019, ficou garantida a reposição da inflação com 1% de aumento real, igual à Fenaban”. 

Um dos maiores impasses da negociação referiu-se à criação de nova cláusula para regulamentar o trabalho aos finais de semana dos trabalhadores que fazem concessão de créditos e financiamentos em lojas e concessionárias. A proposta do Comando Nacional dos Bancários era a garantia de um final de semana completo e um domingo de folga por mês para esses trabalhadores. As financeiras queriam ampliar a cláusula para todos os financiários.

Índice

O reajuste inicialmente proposto era de 3,09%, mas por conta do impasse com a nova cláusula, a Fenacrefi ameaçou retroceder o reajuste para 2,96%. Após muito debate e resistência dos representantes dos trabalhadores, o índice proposto ficou em 3%. 

Gratificação de função

Quanto à cláusula de gratificação de função, que prevê 55% de comissionamento, somente em caso de ações trabalhistas futuras e caso se descaracterize o comissionamento, reconhecendo como devidas as horas extras, será descontado em execução o que já foi pago. Isso já tem sido praticado pela Justiça Trabalhista em algumas ações em andamento. A mudança não impacta aos trabalhadores ativos, tampouco nas ações anteriores à assinatura do acordo. 

Férias

Outra conquista aos trabalhadores foi a possibilidade de parcelar em até três vezes o adiantamento de férias, que atualmente é descontado integralmente no mês posterior ao descanso. 

Validade de dois anos

As demais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) foram mantidas e têm validade de dois anos, entre 2018 e 2020. Para 2019, ficou garantida a reposição da inflação com 1% de aumento real. 

Contribuição negocial

O acordo dos financiários também prevê a contribuição negocial incidente sobre o salário, uma única vez por ano, no importe de 1,5%, com limite máximo de R$ 250, a ser descontado dos sócios e não sócios, sem direito de oposição individual, e também sobre a PLR, com um limite de teto de R$ 200.





Confira também o edital de convocação da assembleia:



Da Redação