Representante da Chapa 1 detalha propostas em debates na Anabb e na AABB

ELEIÇÕES CASSI

Representante da Chapa 1 detalha propostas em debates na Anabb e na AABB Destaque

Representante da Chapa 1 detalha propostas em debates na Anabb e na AABB



Em debates na Anabb e na AABB, ambos na terça-feira (13), com participação dos quatro candidatos a diretor de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi nas eleições que acontecem entre 16 e 28 de março, o atual titular da pasta, William Mendes, que concorre novamente ao cargo, conduziu suas intervenções com foco no detalhamento das propostas da Chapa 1 – Em Defesa da Cassi, a qual encabeça, e com tônica na necessidade de união das representações dos associados para o enfrentamento aos ataques do governo aos planos de saúde de autogestão nas estatais.

A eleição renovará o mandado de diretor de Rede de Atendimento e também de parte dos mandatos nos conselhos Deliberativo e Fiscal. A Chapa 1 – Em Defesa da Cassi é integrada ainda por Fernando Amaral Baptista Filho (RJ) e Fabiano Felix do Nascimento (PE), candidatos a conselheiros deliberativos titulares, tendo como suplentes Ana Paula Araújo Busato (PR) e Elisia de Fiquiredo Ferreira (SP), e por Diusa Alves de Almeida Almeida (SP) e Carlomagno Goebel (RS), candidatos a, respectivamente, titular e suplente do Conselho Fiscal.

William Mendes destacou a representatividade e a experiência dos componentes da Chapa 1 em instâncias de gestão na Cassi, na Previ, no Banco, na Anabb, entre outras entidades.

Confira, a seguir, os principais tópicos abordados pelo candidato nos debates:

Desafios

As eleições da Cassi 2018 se darão em um cenário dos mais complexos em desafios para o próximo período. E a Chapa 1 traz características essenciais para o enfrentamento e superação do que temos pela frente: boa representatividade e experiência. Temos companheiros e companheiras que já foram gestores da Cassi, da Previ, do Banco, da Anabb... Uma boa composição em termos de experiência na comunidade Banco Brasil.

Resoluções do governo

As resoluções do governo (CGPAR) ameaçam a própria existência da Cassi. Atingem nossos direitos enquanto bancários da ativa e aposentados do BB. Destroem as autogestões em saúde, desonerando patrões das estatais e mandando onerar os trabalhadores de forma autoritária, injusta, incorreta. Nossas chapa tem todas as condições de construir uma unidade nacional (política, jurídica) para o enfrentamento a esses ataques.

Custeio

Temos outros desafios. Em relação ao custeio, há um déficit pra discutir. A culpa é de quem? É do bancário? Claro que não. A questão do custeio tem uma perna na compra de serviços no mercado, que cresce muito mais. Então tem que comprar melhor os serviços. E há também a perna de responsabilidade do BB, porque o banco mexeu na folha nos últimos 20 anos. Então ele, sim, tem responsabilidade no déficit, não é o bancário.

Gestão

Outra discussão: gestão da Cassi. Adianta a gente ter uma Cassi superavitária para 200 mil, 100 mil, ao invés de 400 mil? A nossa chapa defende de forma veemente a solidariedade, em todas as formas conquistadas em nossa história. Quebrar a solidariedade é expulsar as pessoas da Cassi. E ela não será uma Cassi para todos.

Saúde da Família

Apostamos no nosso modelo de Estratégia de Saúde da Família, com atenção primária, promoção, prevenção, programas e políticas de saúde. Nós mostramos nesse período em que estivemos à frente da diretoria que é possível avançar. Crescemos a estratégia em 13%, 22 mil vidas, sem um médico a mais, uma enfermeira a mais. Então, o caminho nós mostramos com estudos: é ampliar.

Nós temos desafios e a Chapa 1 tem a capacidade de liderar esse período complexo: apoio da ampla maioria das entidades sindicais e representativas. E isso vai ser central no debate com o banco e com o governo. Fortalecemos muito a participação social nesse período em que estivemos à frente da diretoria.

CliniCassi

Durante esse mandato que estamos encerrando à frente da diretoria de Saúde e Rede de Atendimento, responsável pelas CliniCassi, demos qualidade e ampliamos a Estratégia de Saúde da Família no que foi possível com a estrutura instalada. Temos hoje 65 CliniCassi – nas capitais e algumas no interior. Temos algumas propostas que precisam ser implementadas e que demandam investimento pequeno, muito menor que o gasto lá fora na rede prestadora. Queremos implementar a estrutura de rede referenciada a partir de cada unidade CliniCassi. Uma rede prestadora com especialistas de segundo nível de coordenação de cuidados – endócrino, pediatra, geriatra, neurologista - a partir de uma rede referenciada. Temos estudado unidades móveis para os interiores, que podem ser utilizadas também para ampliar o escopo de cobertura de atenção primária das CliniCassi. Buscaremos ainda ampliar as CliniCassi – temos em estudo fazer núcleos de atendimento especializado em CliniCassi com segundo nível hierárquico, também tendo especialistas.

Evando Peixoto
Colaboração para o Seeb Brasília