Protesto de trabalhadores impede assembleia da Eletrobras

PRIVATIZAÇÃO

Protesto de trabalhadores impede assembleia da Eletrobras Destaque

Protesto de trabalhadores impede assembleia da Eletrobras



Protestos de sindicalistas e trabalhadores contrários à privatização da Eletrobrás impedem, na tarde desta quinta-feira (8), em Brasília, o início de uma assembleia geral extraordinária de acionistas da estatal convocada para decidir o modelo de venda de seis distribuidoras de energia do Norte e do Nordeste do país, administradas pela empresa.

Os manifestantes contrários à privatização da estatal barraram acionistas e representantes de entrar no prédio onde estava previsto o encontro, e carregaram faixas e bandeiras com frases contra a proposta do governo de vender as subsidiárias de distribuição.

A privatização da Eletrobras foi anunciada pelo governo ilegítimo de Temer no ano passado, e está prevista para ocorrer ainda em 2018.

Movimentos semelhantes

De acordo com os manifestantes, há movimentos semelhantes em frente às sedes de cada uma das seis distribuidoras – Amazonas Energia, Ceron (Rondônia), Eletroacre, Boa Vista Energia (Roraima), Cepisa (Piauí) e Ceal (Alagoas).

Votos à distância

Os acionistas da Eletrobras que já manifestaram seus votos à distância decidiram, em maioria, recusar a proposta de venda das distribuidoras. Eles também são contra a liquidação das distribuidoras, caso a venda dessas empresas não seja aprovada na assembleia, e à proposta da empresa em ficar com até 30% do capital das distribuidoras após a transferência de controle para um acionista privado.

Urbanitários na luta

A Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) está ao lado de todos os trabalhadores do grupo Eletrobras e usando de todos os mecanismos legais e de pressão para que não seja feito o desmonte do setor elétrico brasileiro como quer o governo ilegítimo e golpista de Temer.


Da Redação com Valor Econômico