Não à proposta que onera os associados e transfere controle da Cassi ao BB

Não à proposta que onera os associados e transfere controle da Cassi ao BB Destaque

Não à proposta que onera os associados e transfere controle da Cassi ao BB



A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) tomou conhecimento de que a diretoria e o Conselho Deliberativo da Caixa de Assistência dos Funcionários do Bando do Brasil (Cassi) aprovaram reforma estatutária e revisão do custeio que favorecem o banco e prejudicam os associados.

O Conselho da Cassi encaminhou a proposta ao banco para levar à votação dos associados. O que foi aprovado só vale se mais de 50% dos associados votarem e 2/3 dos votantes aprovarem a proposta.

A Cassi não divulgou o que foi aprovado à revelia dos associados, mas a Contraf-CUT teve conhecimento de que os pontos principais são os seguintes:

• Cria voto de minerva a favor do banco na diretoria da Cassi;

• Banco pode vetar decisões do Conselho Deliberativo;

• Transfere para os indicados pelo banco grande parte da gestão da atividade-fim da Cassi, reduzindo a representação dos associados;

• Aumenta definitivamente a contribuição dos associados para 4%, mantendo as contribuições do banco em 4,5%, quebrando a relação 60x40 entre BB e associados;

• Estabelece cobrança por dependente de ativos, com contrapartida do BB;

• Estabelece cobrança por dependente de aposentados, sem contrapartida do BB;

• Novos funcionários do BB não serão inscritos no atual plano de saúde da Cassi;

• Futuros aposentados vão pagar a Cassi sozinhos, sem contribuição patronal.

Votaram a favor da proposta os diretores e conselheiros indicados pelo banco, o diretor eleito Luiz Satoru e o conselheiro deliberativo eleito Sérgio Faraco. Foram contrários à proposta o diretor eleito Humberto Almeida e os conselheiros eleitos Karen D’Ávila e Ronaldo Ferreira.

A Contraf-CUT fará campanha contra a aprovação desta proposta porque quebra a solidariedade, onera os associados e reduz as contribuições patronais, transfere o controle da Cassi para o banco e discrimina os aposentados e os novos funcionários, colocando o atual Plano de Associados em extinção. “A direção do BB, pressionada pelo governo, tenta a todo custo implantar a CGPAR 23 na Cassi, fechar o plano de associados e reduzir sua participação na custeio da saúde dos funcionários. Além disso, quer tomar o controle da Cassi. Essa proposta de revisão estatutária é prejudicial aos associados. Votaremos NÃO!”, avalia o diretor do Sindicato Rafael Zanon, representante da Fetec-CUT/CN na Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil.

Da Redação com Contraf-CUT