Jessé Souza em debate no Sindicato: "Ninguém nasce imbecil"

Jessé Souza em debate no Sindicato: "Ninguém nasce imbecil" Destaque

Jessé Souza em debate no Sindicato: "Ninguém nasce imbecil"



O Teatro dos Bancários lotou na noite desta segunda-feira (12) para o debate com o sociólogo Jessé Souza, autor do livro A elite do atraso – Da escravidão à Lava Jato. A obra supre uma lacuna jamais ocupada por pensadores de esquerda na explicação do Brasil desde o princípio.

O que se tem, segundo o autor, é a interpretação hegemônica, numa transmissão cultural que se dá naturalmente, “por sangue”: as ideias construídas no seio da elite são assimiladas sem resistência. “São mais contundentes que a repressão e a violência física”, enfatiza o sociólogo.

O olhar de Jessé Souza para o sistema de dominação controlado culturalmente pela elite do dinheiro com a anuência da classe média o leva a concluir que “ninguém nasce imbecil, mas qualquer um pode ser enredado nessa teia e assim ser tratado”.

Segundo o sociólogo, uma das ideias que nos fazem de imbecis é a de que nada acontece a partir do mercado, mas do Estado estruturado para roubar, vampirizar, fazer o mal. É a ideia do patrimonialismo, uma distorção da fonte do poder social real. Sérgio Buarque, Raymundo Faoro e Fernando Henrique Cardoso são apontados como responsáveis pela consolidação desse pensamento.

Doutor em sociologia pela Universidade de Heidelberg (Alemanha) e professor da UFABC, Jessé Souza é autor de 27 livros, incluindo A ralé brasileira: quem é e como vive (2009), A tolice da inteligência brasileira (2015) e A radiografia do golpe (2016). Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) entre 2015 e 2016, coordenou pesquisas de amplitude nacional sobre classes e desigualdade social.

O debate no Teatro dos Bancários foi conduzido pela deputada federal Erika Kokay e foi aberto com intervenções do presidente do Sindicato, Eduardo Araújo, e do presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

Evando Peixoto
Colaboração para o Seeb Brasília