Entidades se reúnem para terceira prestação de contas do Acordo Cassi

Entidades se reúnem para terceira prestação de contas do Acordo Cassi Destaque

Entidades se reúnem para terceira prestação de contas do Acordo Cassi



A terceira reunião de prestação de contas do Acordo Cassi aprovado em novembro de 2016, pelo Corpo Social, foi realizada em 27 de setembro, em Brasília, entre a Cassi, o Banco do Brasil e as entidades que compõem a mesa de negociação: ANABB, AAFBB, Contec, Contraf e FAABB. Na ocasião, foram abordadas as ações realizadas de junho a agosto de 2017, previstas no Memorando de Entendimentos.

O Memorando de Entendimentos estabelece direcionamentos visando a sustentabilidade e a manutenção dos serviços prestados pela Cassi. No documento estão previstas contribuições extraordinárias dos associados e ressarcimento pelo Banco do Brasil, ambos de caráter temporário e previstos até dezembro de 2019.

O encontro teve início com a apresentação da prestação de contas do trimestre. A melhoria no índice de satisfação do trabalhador da Caixa de Assistência na pesquisa Melhores Empresas para Você Trabalhar, que passou de 63.6 pontos em 2015, para 79.1 neste ano, também foi tratada na ocasião.

A Cassi divulgou a contratação de empresas especializadas para validação de modelos inovadores de gestão das internações hospitalares, com o objetivo de acompanhar os custos reais. Essa iniciativa envolve a contratação de três empresas, além dos auditores da Caixa de Assistência, que atuarão em 75 hospitais, com a realização de auditorias concorrentes/operacionais, retrospectiva e análise técnica para fechamento de contas hospitalares in loco.

Ainda em relação às finanças da Cassi, o presidente em exercício, Dênis Corrêa, ressaltou que os valores, referentes à contribuição extraordinária de 1% dos associados mais o aporte mensal do BB, estão auxiliando na manutenção da Caixa de Assistência. Porém, com o aumento das despesas assistenciais (cirurgias, internações hospitalares, exames, entre outros) nos últimos meses e se mantida essa curva de crescimento, serão necessárias outras medidas para garantir a sustentabilidade da entidade, segundo o presidente.

Para reduzir os impactos e minimizar os déficits o gestor afirmou que várias ações estão sendo discutidas no âmbito da governança. “O trabalho inicial da Consultoria Accenture realizado nas últimas sete semanas indicou pontos que demandam ajustes. Este diagnóstico inicial evidencia a importância de alinharmos as despesas e as receitas da Cassi”, enfatizou Dênis Corrêa.

Outro problema que a entidade vem enfrentando nas contas são as constantes judicializações por parte dos associados, pois isso tem imputado à Cassi despesas não previstas, causando um desequilíbrio nas contas. Corrêa enfatizou que o rol de benefícios oferecidos pela Cassi em prol dos associados é bem maior que o exigido pela ANS, o que representa para a entidade cerca de R$190 milhões a mais nas despesas da Caixa de Assistência.

De acordo com a secretária de Saúde do Sindicato, Mônica Dieb, que participou da reunião, “os associados estão muito preocupados com o futuro da Cassi, principalmente diante da tentativa de interferência do governo ilegítimo de Michel Temer, além da alta inflação médica”.

Mônica alertou ainda que os representantes dos trabalhadores estão acompanhando de perto as investidas à Caixa de Assistência, traçando estratégias que garantam a longevidade da entidade.

As entidades da mesa negociação solicitaram à Cassi que, a partir da próxima reunião de prestação de contas, sejam incluídas informações adicionais dos trabalhos da consultoria e que se possa contar com a presença de profissionais da Accenture. As Mesas de Prestação de Contas do Memorando de Entendimentos acontecem trimestralmente.


Da Redação