Em assembleia, empregados reiteram necessidade de melhoria da proposta da Cooperforte

Em assembleia, empregados reiteram necessidade de melhoria da proposta da Cooperforte Destaque

Em assembleia, empregados reiteram necessidade de melhoria da proposta da Cooperforte
Em assembleia geral extraordinária, realizada nesta segunda-feira (17), no Sindicato, os empregados da Cooperforte reforçaram a necessidade de melhoria da proposta apresentada pela empresa para renovação do acordo coletivo, que contém retirada de direitos. E pediram que a entidade sindical retorne o processo negocial com a cooperativa.
 
Além de não atender as demandas dos trabalhadores, a proposta apresenta retrocessos, como a retirada de auxílio alimentação para licenciados por questões relacionadas à saúde, afastados da empresa por mais de 180 dias e alterações na aquisição do empréstimo de férias - esses pontos são o impasse da negociação coletiva.  
 
“Principalmente quando se trata de cuidar e preservar a saúde do seu maior patrimônio, que são seus funcionários”, destaca a diretora da Fetec-CUT/CN e empregada da cooperativa, Talita Régia. Segundo ela, os funcionários da Cooperforte são os responsáveis pelo que a empresa é hoje, “pois eles atendem com excelência aos seus associados e nesse momento fazem apenas a requisição dos seus direitos”.
 
Saúde mental
 
Durante a assembleia, a diretora da Fetec-CUT/CN reiterou a importância da saúde mental do trabalhador da Cooperforte. Ela observou que a concepção do que seja a saúde do trabalhador vem se modificando ao longo do tempo, passando da preocupação com a sobrevivência do corpo para a saúde mental. 
 
“No entanto, o sofrimento no trabalho continua, com manifestações de estresse, fadiga crônica, burnout, Ler/Dort etc”, avalia Talita, acrescentando que os programas de saúde são baseados em ações paliativas e estão limitadas ao sistema de controle da organização.

Da Redação