Caos na agência Hélio Prates: Caixa não aprende com os erros

Caos na agência Hélio Prates: Caixa não aprende com os erros Destaque

Caos na agência Hélio Prates: Caixa não aprende com os erros



O número insuficiente de empregados da Caixa Econômica Federal continua provocando grandes transtornos em várias agências, como é o caso da Hélio Prates, em Taguatinga. Superlotação, horas de espera na fila, estresse, adoecimento, chateação e desmotivação são alguns dos problemas causados pelo descaso do banco com os bancários, clientes e usuários.

Essa situação bizarra vem se arrastando há anos. Vale lembrar que foi nessa agência que, em agosto de 2014, um empregado e um segurança foram agredidos por um cliente que se exaltou pela demora no atendimento. No momento do incidente, havia apenas um caixa atendendo a população.

“Na ocasião, o Sindicato tomou todas as providências necessárias em apoio aos trabalhadores e denunciou o problema da falta de funcionários, tanto naquela agência como em várias outras do Distrito Federal. Mas, infelizmente, o problema persiste e a Caixa continua intransigente em fazer novas contratações, demonstração total desdém com os seus empregados”, observa o secretário de Divulgação do Sindicato, Antonio Abdan, também empregado da Caixa.

O dirigente sindical acrescenta que a região onde fica a agência Hélio Prates é de muita movimentação por conta da proximidade com a Feira dos Goianos e do Setor de Oficinas. “São menos de 10 empregados, o que compromete o atendimento à população e a qualidade de vida dos trabalhadores. A Caixa sabe da dimensão do problema e da necessidade de mais contratações”, afirma Abdan.

Mariluce Fernandes
Do Seeb Brasília