Bancários do BB fazem Dia Nacional de Luta em Defesa da Cassi

Bancários do BB fazem Dia Nacional de Luta em Defesa da Cassi Destaque

Bancários do BB fazem Dia Nacional de Luta em Defesa da Cassi

Bancários do Banco do Brasil realizaram nesta quinta-feira (18) um Dia Nacional de Luta em Defesa da Cassi e contra os descomissionamentos que estão ocorrendo no banco. Com faixas e entrega de material específico sobre a Caixa de Assistência, o Sindicato protestou em Brasília em frente à sede do banco, no Setor de Autarquias Norte, além de promover reuniões nos locais de trabalho.

“Queremos a reabertura imediata das negociações com o BB, de modo a resolvermos de vez o imbróglio que se tornou o problema financeiro do plano de saúde dos funcionários”, destaca o diretor do Sindicato Kleytton Morais. “A decisão do funcionalismo precisa ser respeitada e estamos aqui para cobrar isso”.

O BB realizou entre o final de setembro e início de outubro uma consulta aos associados com a intenção de que aprovassem mudanças estatutárias propostas pelo Banco do Brasil e pela direção da Cassi. Mais de 91 mil associados da Caixa de Assistência rejeitaram as mudanças. 

A retomada das negociações é necessária e urgente. O banco afirmou o tempo todo sobre a pressa que a Cassi precisa, mas a estratégia errada atrasou ainda mais o processo. Cada dia sem negociação aumenta ainda mais a margem para decisões atabalhoadas da direção da Cassi. O nome do banco está sendo desgastado pela direção do plano, e a ordem das coisas precisa ser restabelecida com a retomada das negociações.

Descomissionamentos

Os trabalhadores também estão apreensivos com uma nova onda de descomisionamentos e perda de função, que levam em conta apenas a avaliação do próprio gestor sem que seja considerado o mecanismo próprio de Gestão de Desempenho Profissional por Competência e Resultados (GDP). Eles querem que seja retomada a avaliação por meio da GDP, modelo construído com a participação dos funcionários e entidades representativas da categoria, com o investimento de milhões de reais pelo banco.  

Da Redação com informações da Contraf-CUT