Ato desta terça (28) reforça unidade dos empregados contra privatização da Caixa

Ato desta terça (28) reforça unidade dos empregados contra privatização da Caixa

Ato desta terça (28) reforça unidade dos empregados contra privatização da Caixa



Os empregados e empregadas da Caixa demonstraram força e unidade na luta em defesa da Caixa 100% pública. A atividade desta terça-feira (28) reuniu o corpo funcional da Caixa para reforçar a importância da empresa para o crescimento social e econômico do país, garantindo cidadania, educação e moradia a milhões de brasileiros.

Juntos, trabalhadores e lideranças sindicais disseram não à abertura do capital da empresa. O frontal ataque à manutenção da Caixa como empresa 100% pública é mais uma estratégia articulada pelo governo ilegítimo de Michel Temer para favorecer o mercado financeiro.



Diretor do Sindicato e representante de Brasília na Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), Wandeir Severo alerta que o que está em jogo não se restringe ao emprego e à vida dos empregados da Caixa. “O ataque é direcionado a uma empresa fundamental para a existência do país”, desabafa.

De acordo com Wandeir, “há um círculo virtuoso que precisa ser mantido com o apoio dos empregados, atentos às informações verdadeiras, debatendo e discutindo a Caixa dentro e fora da empresa. Na mesa de negociação, manteremos o pulso firme e a mão forte, não aceitando os desmandos da direção da empresa”, completa.

Para Helenilda Candido, diretora do Sindicato e empregada aposentada, “os empregados da Caixa tem a importante missão de encabeçar essa luta em defesa do patrimônio brasileiro. A população precisa da Caixa de portas abertas, com os produtos que sempre estiveram no seu portfólio. A Caixa tem capacidade de atuar por mais 100, 200 anos sem se tornar obsoleta, ao contrário de quem propõe tais políticas”.

“Contamos com a participação e atuação dos empregados da Caixa de todo o país, a exemplo do que vimos no ato desta terça, que contou com a presença de representantes de associações e entidades. Vamos juntos defender nossa empresa 100% pública”, convida o diretor do Sindicato, Henrique Almeida.

Diretor da Federação dos Bancários do Centro Norte (Fetec-CUT/CN), Enilson da Silva reforçou que o ato “faz parte do processo de resistência liderado pelos empregados contra o principal objetivo do governo ilegítimo, que é a privatização. Unidos, demonstramos a força que sempre tivemos para enfrentar qualquer tentativa de desmonte do banco”.

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) também participou da atividade. Durante sua fala, Erika lembrou o histórico de luta dos trabalhadores da Caixa e defendeu a manutenção da empresa 100% pública. “A Caixa tem muita história para estar no balcão de negócios deste governo que está aí sem um voto sequer do povo brasileiro. Querem introduzir na empresa o viés do mercado, desconsiderando totalmente que é a Caixa a maior articuladora das políticas públicas do país”, alertou Erika, que também é empregada da Caixa.

Bancários do BB também somaram forças à atividade realizada pelo Sindicato em parceria com associações e entidades que representam o pessoal da Caixa. Secretário de Imprensa do Sindicato, Rafael Zanon frisou que a defesa da Caixa passa pela defesa dos bancos públicos e das empresas públicas, na mira do governo golpista.



“A Eletrobrás, a Petrobrás, o Banco do Brasil e a Caixa estão sob ataque. Assim, esta é uma luta conjunta em defesa de todas as empresas públicas do Brasil. Acabamos de ver a venda de vários campos do pré-sal para investidores financeiros, entregando nossos recursos para empresas internacionais, tudo parte do golpe de Estado que essas empresas mesmo ajudaram a construir”, contextualiza Zanon.

Joanna Alves
Do Seeb Brasília