Caixa registra lucro de R$ 2,6 bi no 2º trimestre; no 1º semestre, ganho é de R$ 4,1 bi

Caixa registra lucro de R$ 2,6 bi no 2º trimestre; no 1º semestre, ganho é de R$ 4,1 bi Destaque

Caixa registra lucro de R$ 2,6 bi no 2º trimestre; no 1º semestre, ganho é de R$ 4,1 bi



A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido no segundo trimestre de 2017 de R$ 2,6 bilhões, alta de 62,8% ante o mesmo período de 2016, e de 73,9% sobre o primeiro trimestre deste ano. Já o lucro líquido do primeiro semestre foi de R$ 4,1 bilhões, alta de 104% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o Dieese, com esse resultado do primeiro semestre, o retorno sobre o Patrimônio Líquido do banco foi de 9,0%, com queda de 0,7 p.p. Os principais motivos que influenciaram o crescimento do lucro nos últimos 12 meses são: a elevação de 39,2% do resultado da intermediação financeira e de 12,5% nas receitas de prestação de serviços e rendas de tarifas bancárias.

O aumento no resultado da intermediação financeira se deu, principalmente, devido à redução de 12,3% nas despesas com captação da Caixa, consequência direta da queda da taxa Selic no período e, também, à redução de 3,3% das provisões para créditos de liquidação duvidosa.

A carteira de crédito apresentou crescimento de 3,5% em 12 meses, concentrado em carteiras de baixo risco como crédito consignado e imobiliário, e alcançou o saldo de R$ 715,9 bilhões. No período, as operações comerciais com pessoas físicas e jurídicas recuaram, respectivamente, 3,3% e 10,2%.

A carteira imobiliária alcançou saldo de R$ 421,4 bilhões, com alta de 7,0% no período. Desse saldo, R$ 221,9 bilhões foram concedidos com recursos do FGTS, R$ 199,5 bilhões com recursos Caixa/SBPE e R$ 22 milhões com outros recursos. O saldo da carteira de infraestrutura e saneamento totalizou R$ 79,9 bilhões em junho, alta de 5,3% em 12 meses.

A arrecadação do FGTS atingiu R$ 62,1 bilhões de janeiro a junho de 2017. Os saques, no mesmo período, para o pagamento das contas inativas, totalizaram R$ 108,2 bilhões. A Caixa pagou até junho cerca de R$ 38,2 bilhões das contas inativas, o que beneficiou mais de 22 milhões de brasileiros no Brasil e no exterior.

As despesas de pessoal subiram 11,8% e atingiram R$ 11,7 bilhões, reflexo do Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE), realizado no primeiro trimestre. A Caixa encerrou o primeiro semestre de 2017 com 90.201 empregados, uma redução de 5.486 postos de trabalho em relação a junho de 2016.

Regras para pagamento da PLR

A título de adiantamento, a Caixa promoverá o pagamento de 60% do valor devido da PLR a cada empregado, calculado conforme as regras, considerando o lucro projetado para o exercício deste ano até 30 de setembro de 2017.

"Sobre o resultado, que todo mundo quer mesmo saber, é o porquê da demora da Caixa em pagar a primeira parcela da PLR. Todos os bancos já pagaram, só a Caixa é que vai pagar no limite do prazo. Isso, se não inventarem mais uma desculpa. Lamentável que a política de RH não é a mesma da do pessoal de marketing que fez aquela propaganda enaltecendo o empregado Caixa pelo seu desempenho e dedicação no pagamento do FGTS das contas inativas", ressalta o secretário de comunicação do Sindicato, Antonio Abdan.

A composição da PLR será:

PLR regra Básica – 90% da remuneração base reajustada em 01/09/2017 acrescida de R$ 2.183,53 (reajustado em 01/09/2017)

Regra adicional – 2.2% do lucro líquido dividido linearmente

PLR adicional Caixa (Social) – 4% do lucro líquido dividido linearmente

O valor residual será pago até 31 de março de 2018.

Da Redação